quarta-feira, 3 de abril de 2013

Sou viciado em pornografia. O que faço?

Eu não sei como foi a sua formação como pessoa. Espero que você tenha alguma base espiritual. 
Vamos iniciar abordando a questão. A pornografia, bem como os demais vícios, mesmo aqueles que, a princípio, pareçam inofensivos, tais como os jogos de computador, são um grande transtorno na vida da pessoa viciada.
Graças a Deus, você se deu conta disso e decidiu pedir ajuda.
O vício é como se fosse um software muito pesado ou um vírus, que, quando instalado num computador, impede o bom funcionamento dos demais programas. E o pior é que com, o tempo, ele vai ocupando todo o espaço existente em seu HD.
Eis alguns exemplos de programas que deixam de rodar ou passam a funcionar precariamente quando o vício se instala no HD humano:
* Afetividade -- Em alguns casos, a pessoa tende a isolar-se, passando a ter dificuldade de se relacionar com familiares, amigos e pessoas próximas e, com isso, a vida afetiva fica prejudicada, podendo, inclusive, surgir conflitos interpessoais e esfriamento de sentimentos nobres.
* Espiritualidade -- O vício tende a ocupar tanto espaço na mente da pessoa, a ponto de lhe faltar tempo para pensar em coisas mais elevadas. A pessoa deixa de elevar o seu pensamento a Deus, de ler a Bíblia ou literaturas inspiradas nela, de ir à igreja, de participar de atividades devocionais, ou passa a fazê-lo com freqüência insuficiente para o seu fortalecimento espiritual.
* Bom senso -- O vício, invariavelmente, impede que a pessoa exerça sua racionalidade e sensatez. A pessoa passa a se comportar de modo não condizente com aquilo que ela própria tinha em mente como sendo uma vida equilibrada. Sua vida se torna pobre, uma vez que a pessoa dedica grande parte de seu tempo a fazer algo que não edifica e que não leva-la-á a lugar algum.
* Produtividade -- A compulsão faz com que, muitas vezes, a pessoa deixe de produzir trabalhos na quantidade e na qualidade que o seu potencial intelectual lhe permitiria produzir. Sua produção intelectual fica limitada, sua capacidade intelectual tende a reduzir.
* Autoestima -- A pessoa que tem consciência de que está praticando algo errado não se sente bem ao se olhar no espelho, pois parece que as suas feições e o seu olhar deixam transparecer os seus pecados. O indivíduo sente a necessidade de olhar-se no espelho e ver uma pessoa diferente daquela que ela tem sido, uma pessoa da qual ela própria não sinta vergonha, da qual ela possa, de alguma forma, orgulhar-se.
* Saúde física e mental -- É sabido que toda atividade recorrente e compulsiva torna-se, com o tempo, prejudicial à saúde física e mental, pelo fato de impedir que a pessoa se dedique a outras atividades necessárias ao seu bem-estar, tais como atividades físicas, sociais, intelectuais e culturais.

Caso você tenha se encaixado em alguns desses aspectos, considere alguns conselhos para ser liberto desse mal.

O primeiro passo para livrar-se do vício é o reconhecimento de que ele existe e está fugindo (ou já fugiu) ao seu controle. ESSE PASSO VOCÊ JÁ DEU.

O segundo passo consiste em admitir que o vício é uma coisa daninha, doentia e, portanto, prejudicial à sua vida como um todo, podendo, ainda, contaminar pessoas ao seu redor, tal como um vírus cibernético pode contaminar toda uma rede de computadores. Pela sua atitude, acredito que ESTE PASSO TAMBÉM JÁ FOI DADO.

O terceiro passo consiste em reconhecer sua fraqueza para enfrentar o problema sozinho. Enquanto a pessoa pensa que é forte o suficiente para enfrentar os seus grandes problemas (tais como: traumas de infância, fantasmas psicológicos, doenças e vícios) sozinha, dificilmente a coisa se resolve.
O grande apóstolo Paulo escreveu, certa vez, o seguinte: "Quando estou fraco então sou forte." (2Corintios 12.10). Entendo que Paulo queria dizer que, quando ele se achava forte para enfrentar os seus problemas sozinho, as coisas ficavam na mesma ou tendiam a piorar. Por outro lado, a partir do momento em que ele admitia sua fraqueza para enfrentar as atribulações da vida e, consequentemente, pedia ajuda do alto, Deus lhe dava a força necessária para vencer. ESTE PASSO VOCÊ COMEÇOU A DAR.
Só Deus tem poder para nos libertar definitivamente daquilo que nos escraviza, como é o caso do vício.
As literaturas Militares tem alguns exemplos reais de grupos bem menos armados e equipados que venceram inimigos mais poderosos pela resistência. O grande exemplo disso é a Guerra do Vietnã, da qual as forças dos Estados Unidos, maior potência bélica do mundo, foram obrigadas a se retirar derrotadas, frente a um inimigo bem mais fraco.
Por que os vietcongues, sendo bem mais fracos, venceram a guerra? A resposta é simples: eles decidiram resistir até o fim. Após decidirem-se pela resistência, eles foram capazes de criar e pôr em prática uma estratégia bem-sucedida, baseada na aplicação de táticas de guerrilha, que minou a vontade de lutar dos americanos.

Então, tenha em mente que você está travando uma verdadeira guerra de cunho moral e espiritual. Para vencê-la, você tem que escolher resistir.
Por acaso, você conhece aquela passagem bíblica que diz: "Resisti ao Diabo e ele fugirá de voz" (Tiago 4.7)?
Sabe por que a palavra "Diabo" está escrita com inicial maiúscula? É uma forma de não subestimar o inimigo, de reconhecer que ele é poderoso. Mas que, no entanto, pode ser vencido pela resistência.
Com a ajuda de Deus, estabeleça sua estratégia de resistência.
Penso que uma boa estratégia de resistência consistirá na restauração e na atualização dos softwares que estão sendo afetados pelo vírus que domina sua mente.
Vamos repassá-los?

* Afetividade -- Procure se reaproximar das pessoas que o amam. Se achar que deve, conte a elas o seu problema e peça-lhes ajuda. Mas se não quiser se expor, não precisa contar-lhes o que está passando. Bastar passar mais tempo com elas, conviver mais, conversar mais, trocar idéias, conversar, brincar, relaxar. Isso vai ajudá-lo bastante.

* Espiritualidade -- Busque mais a presença de Deus. Converse com ele. A oração não tem que ser necessariamente algo formal e litúrgico. Você pode orar em pensamento, em qualquer lugar, a qualquer hora. Procure fazer isso -- orar em pensamento -- reconhecendo as coisas boas que Deus tem feito em sua vida, confessando suas fraquezas e pedindo forças para resistir e se desviar dos maus caminhos. Procure fazê-lo a todo instante, em todo lugar: no carro ou na condução, no trabalho, em casa, na escola, na praia e na igreja (sim, na igreja, se você não frequenta nenhuma, esteja à vontade para visitar a nossa). Você vai se surpreender ao ver o quanto a oração produzirá efeitos benéficos em sua vida. Posso apostar que outros campos de sua vida, como o trabalho e a vida afetiva, serão também abençoados por essa atitude.
* Bom senso -- Use a sua inteligência, programando o seu dia com antecedência, preenchendo-o com atividades sadias e balanceadas. Identifique os momentos de maior vulnerabilidade e procure eliminá-los. Se isso não for possível, procure reduzi-los ao mínimo que você puder. Lembre-se: equilibre sua vida, distribuindo bem o seu tempo disponível.

* Produtividade -- Procure ser mais produtivo, não só trabalho, mas em outros afazeres diários. Procure fazer mais e melhor. Seja mais metódico. Há quem diga que o mundo é dos metódicos. Quanto ao trabalho, se for possível, troque idéias com outros profissionais de sua área, faça uma revisão do seu modus opendi, a fim de detectar aquilo que pode ser melhorado.

* Autoestima -- Naturalmente, ao proceder da forma acima descrita, você se sentirá mais forte para superar o seu vício. Com isso, o fato de olhar-se no espelho deixará de incomodá-lo. Mas, para reforçar ainda mais sua autoestima, sugiro que você cuide um pouco mais de sua aparência. Por exemplo: Será que o seu cabelo não está precisando de um corte? Há quanto tempo você não pega um solzinho da manhã ou da tarde? Será que a sua alimentação está sendo a mais adequada para a sua idade e atividade laboral? Será que você não está precisando perder uns quilinhos?

* Saúde física e mental -- Este software, mesmo que já tenha sido danificado, certamente passará a funcionar melhor, quando a sua estratégia antivírus liberar o seu HD para rodar os softwares anteriores: afetividade, espiritualidade, bom senso, produtividade e autoestima. (Resposta preparada, a pedido do PRAZER DA PALAVRA, por Sérgio Diniz Rocha). Se tiver mais perguntas deixe na caixa de Inbox..

Nenhum comentário:

Postar um comentário